images (1)

A 1ª Consulta

Em geral, as pessoas ficam apreensivas quando pensam em como será a primeira consulta de psicoterapia.

A ansiedade pode ganhar espaço e não são raras as vezes em que sensações como boca seca, mãos geladas, coração acelerado ou ondas de frio e calor se manifestem em situações como essa.Dúvidas em relação ao que dizer, por onde começar… se serão avaliados, julgados… se aquilo que irá dizer poderá ser exposto para outras pessoas… tudo isso pode passar pela cabeça de quem vai a um consultório de psicologia pela primeira vez.
É importante deixar claro que esse é um momento em que o paciente é ouvido e respeitado em seu sofrimento. Que não há julgamentos, e sim,  a busca por tentar compreender sua dor e ajudá-lo a enfrentá-la da melhor forma possível.
O simples fato de falar e ter a certeza de ser ouvido já tem um efeito terapeutico. As pessoas saem do consultório mais aliviadas, depois de deixarem lá uma carga de tensão que as acompanhava até então.
Por isso, procure não se preocupar com esses pensamentos. Esse momento é seu. Você saberá dizer o que mais te angustia e, aos poucos, conseguirá lidar, de maneira mais equilibrada, com o conflito pelo qual está passando.

😉


imagem1

Quando fazer Psicoterapia?

Alguns sentimentos ou acontecimentos, por vezes, parecem nos incomodar além do suportável. Passam a atrapalhar nossa rotina, interferem no modo como nos relacionamos com as outras pessoas, nos tiram a motivação para a realização de tarefas que antes pareciam agradáveis.

Ansiedade / crises de pânico (muito comuns nos dias de hoje), depressão, problemas no relacionamento conjugal, profissional ou familiar, fobias (social, de lugares fechados, de aglomerações…),  TOC,  ciúmes em excesso, transtornos alimentares (bulimia, anorexia, obesidade),  somatizações são alguns dos motivos pelos quais os pacientes frequentam nossos consultórios.

Mas há muitos outros.  O término de um relacionamento, a perda de uma pessoa querida, o nascimento de um irmão, a separação dos pais, ou mesmo algum acontecimento em nossa rotina que nos proporcione um nível de stress acima do suportável. Os motivos são muito pessoais, são únicos, uma vez que o que nos afeta não necessariamente afeta ao outro.

Então, nesses momentos, torna-se necessária a atuação de um profissional que nos auxilie a minimizar nosso sofrimento psíquico e a encontrarmos equilíbrio emocional suficiente para lidarmos com as adversidades que  vida nos impõe.

Por: Teresinha Seraggi